Airbnb ajuda a distribuir o turismo para mais destinos no Brasil

viver.vc
10 Min Read

O turismo doméstico se mostrou resiliente em tempos de crise e uma opção de impacto econômico positivo mais imediato e frequente nas economias locais; uma viagem de fim de semana para um destino próximo de casa não é apenas mais fácil de planejar, mas também muito mais acessível. 

Desde o início da pandemia1, no Brasil, quase 600 cidades receberam sua primeira reserva no Airbnb. Os locais são os primeiros a visitar destinos fora do comum no país e a levar os benefícios econômicos do turismo para comunidades que antes estavam fora da rota turística tradicional. Em todo o país, diárias de acomodações disponíveis no Airbnb reservadas por brasileiros em áreas não urbanas aumentaram 150%.

O Airbnb já demonstrou ser uma opção que pode ajudar a desenvolver este tipo de turismo ao anunciar opções de acomodações mais acessíveis e ao aumentar a oferta de acomodações em mais destinos. 

Durante a pandemia, com as restrições de viagens internacionais, as pessoas passaram a utilizar o Airbnb para conhecer novas atrações naturais e culturais locais. À medida que saímos da pandemia, essa tendência permanece. Em 2022, as diárias domésticas reservadas por meio do Airbnb cresceram 33% na América Latina, ou seja, 5% a mais do que o crescimento das diárias reservadas por viajantes internacionais2. Nos países da região, as noites reservadas por locais para viajar em seus países utilizando o Airbnb continuaram a crescer em 2022 e foram ainda mais altas em comparação com os níveis pré-pandemia, quase dobrando no Brasil.

“A pandemia causou uma ruptura sem precedentes no turismo global. À medida que o turismo internacional despencou mais de 70%3, vimos uma mudança profunda em como e quando as pessoas viajavam. As pessoas não apenas viajam localmente, mas também descobrem novos destinos locais. Há uma tendência entre os locais que viajam utilizando o Airbnb de conhecer seu próprio país que se manteve e continua a crescer.”

Fiamma Zarife, Diretora Geral do Airbnb na América do Sul.

Com o aumento das taxas de inflação nos últimos anos, as pessoas continuaram a viajar localmente encontrando no Airbnb uma gama diversificada de acomodações para reserva que podem atender às diferentes necessidades dos viajantes, não só com base no espaço que necessitam, mas também no orçamento que têm disponível. Para famílias, reservas de espaços inteiros representam uma opção ainda mais acessível, com um valor médio por pessoa avaliado em menos de R$1074. Para viajantes individuais e casais, quartos representam uma opção acessível com um preço médio por noite de R$155,28 no Brasil.

Com base em uma pesquisa do Airbnb realizada entre hóspedes que fizeram reservas por meio do Airbnb no Brasil, 45% indicaram que o principal motivo para utilizar o Airbnb foi para economizar, 19% indicaram que queriam uma experiência mais local e fora de áreas turísticas e 13% queriam flexibilidade com o período ou destino da viagem5.

As viagens domésticas, especialmente para destinos não-urbanos, estão acontecendo em toda a América Latina. Destinos não-urbanos foram responsáveis pelo maior crescimento na oferta e demanda em noites reservadas em 2022 em comparação com 2019 – o último ano de viagens completo antes da pandemia. “A distribuição do turismo, localmente e entre destinos, para cidades menos conhecidas ou bairros menos populosos, traz benefícios econômicos por meio do turismo para comunidades que não os tinham antes. Isso é ainda mais importante para aqueles bairros e comunidades não atendidos por hotéis e onde os anfitriões no Airbnb são o principal, se não o único, impulsionador do turismo local”, ressalta Zarife.

Entre as cidades que receberam sua primeira reserva através do Airbnb desde março de 2020, as mais reservadas são6:

  • Andradina, São Paulo, BR
  • Aurora do Tocantins, Tocantins, BR
  • Boqueirão do Leão, Rio Grande do Sul, BR
  • Campestre, Minas Gerais, BR
  • Limoeiro do Norte, Ceará, BR
  • Colinas, Rio Grande do Sul, BR
  • Santo Antônio de Goiás, Goiás, BR
  • Pirajuí, São Paulo, BR
  • Rio do Campo, Santa Catarina, BR
  • Quitandinha, Paraná, BR

À medida que o custo de vida continua a aumentar, a dispersão das viagens e a vontade entre moradores locais de se aventurar por destinos mais distantes criou oportunidades econômicas para pessoas em comunidades que tradicionalmente podem ter sido desconsideradas como destinos turísticos. 

O ganho usual para anfitriões em destinos não-urbanos com anúncios no Airbnb, no Brasil, foi maior em 2022 do que em 2021, com um crescimento acima de 10%. Este impacto econômico beneficia não só os anfitriões, mas toda a comunidade: com base em uma pesquisa econômica da Oxford, para cada 10 dólares gastos em hospedagem, os hóspedes gastam 51 dólares em serviços como transporte, restaurantes e atividades culturais.

“A vontade de compartilhar os nossos espaços no Airbnb surgiu para oferecer a oportunidade das pessoas vivenciarem uma experiência que foi projetada por nós e para nossa família, em que a interação das casas com a natureza e os animais é o conceito principal do projeto. Além disso, eu e o meu marido sempre idealizamos trazer o turismo para o nosso município de Boqueirão do Leão, que possui muitos pontos turísticos naturais, e através do Airbnb conseguimos tornar essa vontade uma realidade.”

 Rafaela Marchi, anfitriã em Boqueirão do Leão, Rio Grande do Sul.

A anfitriã revela, ainda, que sempre compartilha dicas da sua cidade e região, “Gostaríamos muito que houvesse o desenvolvimento do turismo na nossa cidade de Boqueirão do Leão, então passamos orientações para os hóspedes conhecerem os pontos turísticos, locais para refeições, entre outros. Muitos hóspedes que passaram por aqui, acabaram se tornando nossos amigos virtuais. Cada um nos traz uma experiência de vida e também já inspiramos outros hóspedes a se tornarem anfitriões!” 

Devido ao Airbnb, áreas sem prévia oferta de hotéis no Brasil receberam mais de 650 mil hóspedes, gerando  147 milhões de dólares em impacto econômico para suas comunidades. Além de anfitriões no Airbnb manterem a maior parte do que cobram por seus anúncios, 53% dos hóspedes declararam que o dinheiro que economizaram ao se hospedar em acomodações reservadas por meio do Airbnb os permitiu gastar mais em outros serviços no Brasil7.

Turismo Sustentável 

O Airbnb está comprometido em fortalecer as comunidades nas quais opera, promovendo viagens que sejam locais, diversificadas, além de econômicas e ambientalmente sustentáveis. Desde o início da pandemia, a plataforma estabeleceu parcerias para apoiar destinos através de compartilhamento de dados, com diversos municípios e estados brasileiros que representam destinos relevantes para o turismo nacional, como o estado do Rio Grande do Sul, o município de Campina Grande (PB) e, mais recentemente, com a Secretaria de Turismo e Viagens de São Paulo. Além disso, em 2022, em parceria com as organizações Fundação SOS Mata Atlântica, Grape ESG e o OBSERVATÓRIO Nacional de Segurança Viária, o Airbnb anunciou o projeto #RotasAirbnb com o objetivo de apoiar o turismo sustentável e responsável no Brasil. No ano de lançamento, a iniciativa promoveu oito rotas em destinos de todas as regiões do país para experiências de viagem autênticas e que valorizam a cultura e a economia locais. 

“O Airbnb está empenhado em continuar a apoiar o crescimento do turismo doméstico para novos destinos de maneira sustentável. Levando em conta o impacto econômico, social e ambiental, viajar localmente pode impulsionar a economia, gerar empregos e contribuir para a preservação dos atrativos culturais e naturais”, reforça Fiamma Zarife.

No início deste ano, o Airbnb anunciou os beneficiários do Fundo Comunitário do Airbnb de 2022, incluindo o WWF-Brasil. A doação de 500 mil dólares à organização foi destinada ao programa Coralizar, desenvolvido pelo WWF-Brasil e parceiros para apoiar os esforços de restauração dos recifes de corais ao longo da Costa de Corais no país. 

Baixe aqui o relatório completo.

TAGGED:
Share This Article